Canal Energia: Um ano melhor que aquele que passou

Leilões, Mercado Livre, Geração Distribuída e Gás lideram oportunidades de investimentos em 2021

Por Pedro Aurélio Teixeira

RIO DE JANEIRO, 19/02/2021 – Este ano não vai ser igual aquele que passou. O verso popular ganha força em um cenário com um mundo ainda impactado pela pandemia de Covid-19 e que sofreu um grande baque em 2020. A descoberta das vacinas aparece como fio de esperança no retorno à normalidade da economia. O setor elétrico brasileiro, embora não tenha tombado, espera um 2021 melhor que 2020. Se as usinas destinadas ao mercado livre, a Geração Distribuída e a intensificação das renováveis deram o tom nos investimentos em 2020, este ano a expectativa é que o pós pandemia intensifique esses investimentos.

“A gente imagina que ele vai ser muito bom e que no depender do setor privado, vai ser ainda melhor que o ano passado”, conta André Fonseca, gerente da Thymos, que define o setor privado como o mercado livre e os PPAs privados.

O retorno dos leilões de energia, anunciados pelo governo no fim do ano passado, aparece como vetor de investimentos em 2021. Foram prometidos certames dos tipos A-3, A-4, A-5 e A-6, de energia nova e existente. Algumas empresas do setor também anunciam um 2021 forte em investimentos. Em teleconferência de resultados realizada no início do mês, o CEO da Neoenergia, Mario Ruiz Tagle, descartou participar da privatização da CEEE-D, mas revelou que o Grupo vai investir R$ 10 bilhões esse ano. Com recursos de Pesquisa & Desenvolvimento, a Enel SP anunciou em janeiro a instalação de 300 mil medidores inteligentes, ao custo de R$ 121 milhões.

A transmissão, que terminou o ano com um mega leilão de LTs em dezembro que registrou deságio médio de 55,24% e investimentos de R$ 7,3 bilhões, deve manter a pegada no certame que acontecerá em junho deste ano. O investimento esperado é de R$ 1,3 bilhão para onze empreendimentos divididos em cinco lotes localizados em seis estados. No segundo semestre ainda deverá ser realizado mais um leilão de transmissão.

O presidente da Associação Brasileira das Grandes Transmissoras de Energia Elétrica, Mario Miranda, lembra que além dos leilões, a transmissão deve ainda concentrar recursos nas obras de reforços autorizados, que devem movimentar cifras de R$ 3 bilhões. As chamadas obras de melhorias, que são atualizações para que o serviço continue sendo prestado com qualidade, tem estimativa de agregar R$ 500 milhões em investimentos.

Para Miranda, os contratos de transmissão continuarão interessantes aos olhos dos investidores e vê espaço para a chegada de mais players no setor. Ele alerta sobre a necessidade de se evitar surpresas negativas em vencedores de lotes dos leilões, como aconteceu com o do lote 1 do leilão do ano passado, que acabou inabilitado pela Agência Nacional de Energia Elétrica por irregularidades nas garantias. “Era um investidor totalmente estranho para nós, não era do setor elétrico nem no Brasil nem em qualquer lugar”, adverte.

Na fonte solar, o presidente executivo da Associação Brasileira de Energia Solar e Fotovoltaica, Rodrigo Sauaia, enxerga em 2021 uma continuidade da trajetória de crescimento que a fonte vem experimentando nos últimos anos. Segundo ele, a Geração Distribuída deve nortear os investimentos, que junto com a solar centralizada, deverão somar R$ 22,6 bilhões. “Para 2021 a trajetória de crescimento continua. A gente espera neste ano ainda um ano mais positivo que 2020”, explica.

Sauaia conta que de 2012 a 2020, a fonte solar já acumulou investimentos de R$ 38,2 bilhões e a previsão para esse ano indica um robusto aumento, em especial para a GD, que será responsável por 75% do total investido. O presidente da Absolar também vê o mercado livre como uma aposta importante para a geração centralizada. A fonte tem conseguido viabilizar usinas nesse ambiente e tem dezenas de megawatts em projetos estocados. “Esse ano o mercado livre é uma aposta importante da geração centralizada. Esperamos muitas negociações entre geradores e comercializadores”, salienta.

A GD apareceu como um ponto importante nos investimentos do setor elétrico este ano. Em 2021, há a chance que as regras sejam atualizadas. O mercado vem acompanhando com ansiedade essa mudança e a expectativa é que apenas a escolha de um pior cenário poderia levar a um recuo nos investimentos de GD no Brasil. “O mercado não está esperando que o governo opte pela pior alternativa, ele deve ficar no meio do caminho, não deveria influenciar [nos investimentos]“, avalia Fonseca, da Thymos.

Quanto aos leilões de energia, apesar de alguns certames apresentarem baixa demanda, Sauaia espera disputa naqueles que contratarem para anos em que ainda não haja entrada de energia definida. O presidente- executivo da associação também atenta para o impacto da variação cambial nos investimentos solares, que se no primeiro momento pode aumentar os custos dos equipamentos, também pode tornar o país destino de investimentos externos, por ficar barato para aquisições e fusões.

O programa Mais Luz para a Amazônia, do Governo Federal, que visa universalizar o acesso à energia na Amazônia Legal, também e visto como um nicho de investimentos para o setor. Com previsão de R$3 bilhões em investimentos nos próximos anos, em outubro do ano passado foi assinado o primeiro contrato. As contempladas serão as comunidades das áreas remotas do Marajó (PA). A Equatorial Pará vai instalar sistemas de geração fotovoltaicas e dez mil ligações nos próximos dois anos. “Temos uma oportunidade histórica de fazer um programa robusto, em que a energia solar contribui simultaneamente para a competitividade, redução de custos na tarifa dos consumidores e a sustentabilidade”, avisa Sauaia.

Na energia eólica, a que mais cresce no Brasil, a avaliação é que mesmo 2020 tendo sido um bom ano para a fonte, 2021 também será promissor. Uma desaceleração da pandemia pela vacina somada a dinâmica dos investimentos em infraestrutura dá força para essa tese. “Vai ser um ano em que as expectativas serão revisitadas e revisadas de uma maneira positiva relativamente ao ano de 2020. Não será o melhor ano de nossas vidas em termos de investimentos, mas certamente será melhor que 2020 no campo da expectativa”, aponta Élbia Gannoum, presidente executiva da Associação Brasileira de Energia Eólica.

A executiva da ABEEólica não crê em grandes volumes de contratação nos leilões de energia, mas aposta que o mercado livre vai abrigar a maioria dos investimentos de expansão na fonte. O ambiente de contratação livre tem superado o mercado regulado na expansão da fonte nos últimos anos. Em 2018 e 2019 a proporção de contratação ficou de 1,5 GW no regulado e 2,5 GW no mercado livre. Em 2021, o ACL deve novamente levar vantagem.

Outro fator apontado como positivo é o montante de recursos existentes que ficaram paralisados por conta da pandemia e que deverão ser alocados este ano, principalmente na área de infraestrutura, que concentra investimentos de longo prazo. “Vai ter uma quantidade de capital solta no mundo querendo bons investimentos e isso vai favorecer o Brasil”, frisa. O movimento de fusões & aquisições, que apareceu no setor eólico nos últimos anos, não deve ser tão intenso em 2021. Apesar disso, não está descartada uma volta do apetite de players chineses no pós-pandemia.

Mas a expectativa de investimentos eólicos não deve ficar restrita a viabilização ou compra de ativos. Os fabricantes de equipamentos vêm investindo forte em tecnologia desde 2017, o que tem resultado em aerogeradores mais potentes e contribuiu para a queda do preço nos leilões. A busca pela adaptação ao vento local também motiva os investimentos. Já existem máquinas de 6 MW onshore. “Está havendo uma busca incessante pela tecnologia e temos muitos lançamentos de máquinas, porque elas estão buscando cada vez mais se adaptar ao vento brasileiro e as condições de mercado brasileiras”, comenta a presidente da ABEEólica.

No mercado de Gás e Energia, em compasso de espera da aprovação da nova Lei do Gás, que tramita no Congresso Nacional, a vinda de investimentos está ligada aos leilões de energia do ano. De acordo com Rivaldo Moreira Neto, CEO da consultoria Gas Energy, os certames podem significar a entrada de recursos na fonte térmica. “Há uma expectativa grande do setor com relação a esses leilões, porque eles podem realizar um investimento eminente não só em plantas existentes para modernização delas como também para a contratação de térmicas novas”, revela.

No início do ano, o mercado do gás nacional foi surpreendido com a entrada da New Fortress Energy, que comprou os ativos da Golar Power no país, além de projetos de térmicas, envolvendo mais de US$ 5 bilhões em investimentos. Moreira Neto considerou a entrada da NFE uma boa notícia, por ela já possuir ativos operacionais no mundo e capacidade de investimento,  podendo estimular a competição. Ainda segundo ele, a chegada de um player pujante no Brasil atrai a atenção dos demais para o mercado brasileiro. “Toda vez que entra um player desse tamanho, você atrai a atenção do mundo. Por que ela foi, o que viu nesse mercado?”, indaga.

O CEO da Gas Energy cita ainda a empesa belga Fluxys, que comprou uma participação na TBG, que tem experiência em GNL e em rede de gasodutos. A aprovação da lei do gás, ainda sem previsão de votação, encerraria uma discussão de anos e deixaria o mercado mais agradável para negociações. “A aprovação do marco é super importante para que comecem a investir no país as empresas que estão ou não no Brasil, ainda que não resolvam todo os problemas”, ressalta.

A pandemia, considerada um potencializador da transição energética, ratifica os investimentos em energias renováveis no Brasil, onde as fontes eólica e solar já estão consolidadas e aceleradas. Essa característica da matriz deve facilitar a atração de recursos para a viabilização de projetos. “Como o Brasil é um importante locus de investimentos em renováveis, é um país que realmente tem condições de atrair esses capitais”, salienta Élbia Gannoum, presidente executiva da ABEeólica.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *